Internos do CASE de Lages: autoestima elevada e preparados para o mundo do trabalho

Por Luiz Del Moura

A sala do Centro de Atendimento Socioeducativo (CASE) de Lages ficou pequena para tanta gente e tamanha emoção. Em uma cerimônia simples, mas carregada de discursos otimistas, 13 adolescentes em cumprimento de internação receberam o certificado de participação no Programa de Iniciação ao Trabalho (PIT), uma proposta do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) apoiada pelo Poder Judiciário.

Durante 15 encontros, que somaram 60 horas-aula, o professor Marcelo Schmitz falou sobre as formas de entrar no mercado de trabalho, planejamento de carreira, elaboração de currículos e como se portar em uma entrevista de emprego, por exemplo. “Buscamos falar sobre as nuances do mundo corporativo para que eles vislumbrem um outro caminho, o caminho do bem.” O que mais chamou a atenção de Marcelo foi a transformação do grupo. “Eles chegaram desacreditados, desalentados ou desiludidos e encerram esta etapa renovados, com a autoestima elevada e, principalmente, acreditando neles mesmos.”

Um desses garotos está prestes a completar 18 anos. Em momento nenhum ele soltou a mão da tia emocionada, assim como a maioria, que tinha um familiar ao lado para acompanhar a conquista. Ele cursa o segundo ano do ensino médio e, assim que concluir, quer ingressar na faculdade de educação física. “Hoje é um dia especial por estar com a minha família e receber mais um certificado. Além disso, por ter a certeza de que não foi apenas um curso, mas a chance de receber ensinamentos para a vida”, afirma o adolescente.

O juiz Ricardo Alexandre Fiúza, titular da Vara da Infância e Juventude, reforça que todos têm uma parcela de contribuição no processo socioeducativo. Neste sentido, agradece a colaboração dos profissionais da unidade e a parceria do CIEE. Aos adolescentes, lembra que estar no Centro em cumprimento de uma medida socioeducativa é momento propício para reflexão. “Espero, sinceramente, que saiam pessoas melhores do que entraram. Esse curso é um dos motivos para que tenham um encaminhamento mais correto na vida.”

Para o diretor do CASE Regional de Lages, Matheus Furtado, o aproveitamento superou a expectativa. “Esse encontro é um presente para todo mundo. É muito satisfatório dizer que houve interesse pela mudança. Eles tiveram atenção e comportamento durante as aulas do curso. Faz mais de 20 dias que não temos registro de indisciplina e isso refletiu em todo o complexo, não apenas em relação aos participantes do programa.” Ele também fez um agradecimento para toda a equipe de profissionais envolvida no processo de reeducação.

Taina Borges – NCI/TJSC – Serra e Meio-Oeste

Leia também

Deixe um comentário

três × 4 =