Seminário em são Joaquim fortalece a valorização das IGs na Região Serrana

Por Luiz Del Moura

Durante os dois dias, 29 e 30, a comunidade de São Joaquim e arredores teve a oportunidade de entender e “desmistificar” o lado técnico das Indicações Geográficas (IGs). Junto ao Salão Paroquial, no Centro da cidade, o Sebrae/SC oportunizou encontros técnicos e levou palestrantes, que ajudaram a mostrar as diversas oportunidades de negócios que podem ser geradas a partir da conexão das IGs com os outros segmentos de negócios, que abrangem todos os segmentos locais.

Além disso, foi uma grande oportunidade para mostrar que os produtos de Indicação Geográfica são exclusivos e que ainda precisam do entendimento de que a força deles está na origem.  O tema foi abordado pelo especialista Rogério Ruschel que ressaltou que não se trata de quantidade, e sim, a diferença. Afirmou que é um produto que não pode ser copiado, trocado ou modificado. Defendeu a lógica do marketing na valorização da origem, para manter o produto dentro de um contexto de exclusividade, e que não pode ser imitado.

Outro profissional que participou do ciclo de palestras, o chef Victor Branco, defendeu a gastronomia serrana com a utilização de produtos IGs da Serra. Afirmou que todos precisam trabalhar junto às bases e de forma coletiva, em parceria. No entendimento dele, este é o momento de valorizar o selo, e que o tempo já passou dos limites. “Precisamos movimentar nossos produtos de dentro para fora, e a base tem de saber o que é o IG, e o quanto agrega no fator local e regional”, completou Victor.

Já para o gerente regional do Sebrae Serra, Altenir Agostini, o mérito deste 1º Seminário foi o fortalecimento do tema IG para outras pessoas fora do setor também possam compreender e disseminar a importância da certificação, e mostre para os diversos púbicos como pode ganhar mais com a Indicação Geográfica de produtos locais. Por isso a importância da valorização, para que se amplie a divulgação, incrementando o próprio turismo, conforme as características de cada um”, acrescentou Alternir.

Estandes expuseram os produtos com IGs

A Região de São Joaquim é a única do Brasil a contar com quatro Indicações Geográficas: Vinhos de Altitude de Santa Catarina; Mel de Melato da Bracatinga; Maçã Fuji da Região de São Joaquim, e Campos de Cima da Serra, para o Queijo Artesanal Serrano Brasileiro. Todas tiveram estandes montados no mesmo espaço que abrigou o Seminário, onde expuseram e comercializaram os produtos. Outro estante, evidenciou a força do artesanato local. Externamente, a Unimóvel do Sebrae com a presença do consultor Rafael Clanberg propiciou inúmeros atendimentos, tais como, orientação a quem não sabe no que quer empreender; se precisa de alguma consultoria, ou até mesmo como abrir uma MEI, entre outras necessidades.

Crédito Fotos: Paulo Chagas

Leia também

Deixe um comentário

19 − dois =