Comarca de Lages retoma júris populares em espaço com mais acessibilidade

Por Luiz Del Moura

A reforma do prédio da comarca de Lages está em fase de conclusão. O Salão do Tribunal do Júri foi um dos espaços que mais sofreu modificações e está quase pronto para ser usado, restando alguns detalhes. Uma rampa foi construída na parte da frente para tornar o local mais acessível para quem precisar estar no plenário, onde ficam o juiz, promotor, defensores, jurados e réu. Agora, a chegada pode ocorrer tanto por esse acesso como pelos fundos do salão.

Nesta quinta-feira, dia 10, a 1ª Vara Criminal retoma as sessões, paralisadas por conta da reforma, com o julgamento de um homem que tentou matar dois policiais militares. Por conta da pandemia, os júris populares continuam ocorrendo sem a presença do público. A entrada é restrita às pessoas que irão trabalhar.

O crime julgado nesta semana ocorreu em 2015, quando os policiais investigavam uma eventual prática de tráfico de drogas no bairro Dom Daniel, próximo a uma universidade. Ao perceber a movimentação dos agentes, o rapaz, que na época tinha 18 anos, armou-se de um revólver, calibre 38, e atirou diversas vezes contra as vítimas. Conforme a denúncia, o jovem não consumou os homicídios pela inaptidão em realizar os disparos. As duas tentativas de homicídios são qualificadas pelo recurso que dificultou a defesa das vítimas e por ser contra policiais militares.

Outros júris em março

Ainda no mês de março, haverá mais dois júris populares. Na sessão do dia 17 o réu será julgado por porte ilegal de arma de fogo de uso permitido e tentativa de homicídio qualificado pelo motivo fútil. Em 2020, ele atirou contra um homem, que estava em um carro estacionado em frente ao campo de futebol do bairro Pisani, porque ficou contrariado pelo fato dele não aceitar adquirir munições que estava oferecendo à venda. Por ser agente penitenciário, a vítima portava uma arma, sacou e afugentou o acusado. Mesmo atingido, conseguiu chegar ao hospital para receber atendimento médico.

Na última sessão do mês, no dia 31, um homem de 32 anos irá a julgamento por tentativa de feminicídio. O crime também tem a qualificadora do motivo fútil. O acusado tentou matar estrangulada a companheira com quem tinha um relacionamento amoroso há seis anos e com quem morava junto havia seis meses. A agressão consistiu em socos no rosto e uma mordida. Os fatos ocorreram em junho de 2021, na casa onde moravam, no bairro Santa Catarina.

A mulher conseguiu fugir, porém o homem a perseguiu, encurralou e agrediu novamente. Na sequência a polícia, acionada pelos vizinhos, abordou o casal. De acordo com os autos, ele teria se irritado com o fato de o celular não funcionar, quebrou o aparelho e exigiu que a companheira entregasse o dela para que fizesse o mesmo e a mulher se recusou.

Taina Borges

NCI/TJSC – Serra e Meio-Oeste

Leia também

Deixe um comentário

6 + 17 =