IMA lança editais em busca de parceria para gestão dos Parques Estaduais Fritz Plaumann e Rio Canoas

Por Luiz Del Moura

O Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA) lançou os editais de Chamamento Público IMA/DBIO nº 60/2023 e IMA/DBIO nº 40/2023 com objetivo de estabelecer parceria com Organizações da Sociedade Civil (OSC) para desenvolver ações que visem à gestão e a operação da visitação dos Parques Estaduais Fritz Plaumann e Rio Canoas.

Entre os objetivos específicos do Termo de Colaboração estão a realização de atividades, não sendo exclusividade da OSC: apoiar as ações relacionadas ao uso público do parque estadual; oferecer serviços e atividades de turismo ecológico e uso público; apoiar as atividades de pesquisa, com especial atenção ao Programa de Monitoramento da Biodiversidade; promover Educação Ambiental nos municípios de abrangência do Parques; apoiar a Coordenação dos Parques em atividades técnicas e administrativas entre outras demandas.

O período para apresentação de propostas via SIGEF vai até o dia 8 de setembro (sexta-feira). Desta forma, o IMA convida todas as instituições para participarem do processo. Os editais contendo as especificações da parceria também podem ser acessados no site do IMA  Neste Link

Sobre o Parque Estadual Fritz Plaumann

Fritz

O Parque Estadual Fritz Plaumann (PAEFP) é uma unidade de conservação brasileira, situada em Concórdia, no oeste do Estado de Santa Catarina, em uma área de 741 hectares.

Criado por meio do Decreto Estadual nº 797, de 24 de setembro de 2003, como medida de compensação ambiental pelos impactos ambientais gerados pelo aproveitamento hidrelétrico da Usina Itá, localizada entre os municípios de Itá/SC e Aratiba/RS, na Bacia Hidrográfica do Rio Uruguai.

O nome da Unidade de Conservação é uma homenagem ao entomólogo alemão Fritz Plaumann pelos trabalhos ambientais entomológicos desenvolvidos na região e com significativa contribuição para todo o Brasil. A floresta Estacional Decidual é uma das formações florestais mais ameaçadas do Bioma Mata Atlântica e a mais ameaçada no estado de Santa Catarina.

Aberto para visitação pública de quarta-feira a domingo das 9hs às 17hs e de segunda e terça-feira com agendamento, conta com excelente infraestrutura para receber moradores, visitantes e turistas da região. Além das belezas naturais do Parque, os visitantes recebem ainda acompanhamento dos grupos e trabalhos de interpretação e educação ambiental nas quatro trilhas, as quais dispõem de estruturas como: decks, pontilhões, ponte pênsil, mirante, perfazendo mais de seis quilômetros de percurso em trilhas.

Nos remanescentes de florestais do Parque e de seu entorno já foram registradas 232 espécies de aves, 25 espécies de mamíferos de grande e médio porte e 35 espécies de répteis e anfíbios, muitos deles ameaçados de extinção, como o Gato-maracajá (Leopardus wiedii), o Veado (Mazama nana), e a Paca (Cuniculus paca). Já o tamanduá-mirim (Tamdua tetradactyla), o Cachorro-do-mato (Cerdocyon thous) e a Cutia (Dasyprocta azarae), representantes dos mamíferos, são menos ameaçados.

Em relação à vegetação o Parque abriga espécies típicas como a Canafístula (Pelthoporum dubium), Grápia (Apuleia leiocarpa), Angico-Vermelho (Parapiptadenia rigida) e o Cedro (Cedrela fissilis). Ainda resguarda em sua área a bromélia do estreito (Dyckia distachya), espécie endêmica da calha do rio Uruguai.

Saiba mais sobre o PAEFP no site do IMA

Sobre o Parque Estadual Rio Canoas

Rio canoas

A área correspondente ao Parque Estadual Rio Canoas foi adquirida pela empresa Campos Novos Energia S/A (Enercan) e doada ao Estado de Santa Catarina como compensação ambiental decorrente da implantação da Usina Hidrelétrica em Campos Novos. A criação da Unidade de Conservação de Proteção Integral, conhecida como Parque Estadual Rio Canoas, se deu por meio do decreto Nº 1.871, de 27 de maio de 2004.

O Parque está situado no Distrito do Ibicuí, município de Campos Novos, Estado de Santa Catarina. Na data de sua criação, a área total do Parque era de 1.067,8592 hectares, com uma área de 65,3960 hectares correspondente à área de preservação permanente (APP) com faixa de 100 metros a partir da cota altimétrica de inundação (660 m), do reservatório da Usina Hidrelétrica de Campos Novos (UHE Campos Novos) em sua margem direita, perfazendo área total 1.133,2552 hectares.

Em 02 de outubro de 2020, foi adquirida uma nova área, anexa à já existente, de 95 hectares, a qual foi doada ao Parque por meio de compensação ambiental da empresa EDP Energias do Brasil. Atualmente a Unidade de Conservação Parque Rio Canoas conta com uma área total de 1.228,7 hectares.

Estudos apontam que boa parte das riquezas naturais de Santa Catarina está abrigada no Parque Rio Canoas, que pertencente ao bioma Mata Atlântica, tem por finalidade proteger a biodiversidade em um ecótono, que é uma faixa de transição entre o ecossistema da Floresta Estacional Decidual (FED) e a Floresta Ombrófila Mista (FOM) formada por araucária (Araucaria angustifolia), xaxim (Dicksonia sellowiana), imbuia (Ocotea porosa), cedro (Cedrela fissilis) e demais espécies arbóreas.

O Parque Rio Canoas também serve de abrigo para diversas espécies da fauna, desde cervídeos (Mazama sp.) a felinos, dentre eles o gato-maracajá (Leopardus wiedii), gato-mourisco (Puma yagouaroundi) e a onça-parda (Puma concolor). São espécies que fazem parte de uma paisagem exuberante, formada por paredões rochosos e cânions, predominando a presença de cactos, como o Ora-pro-nóbis (Parodia linkii).

Saiba mais sobre o PAERC no site do IMA

Leia também

Deixe um comentário

treze + 13 =