Bailarinas flutuam e acalmam os corações e, em contraponto, a batida do street dance “incendeia” o palco do Natal Felicidade

Por Luiz Del Moura

Lages já respira e festeja o clima de Natal. O comércio tradicional, shopping e supermercados já adéquam seus novos horários. O magnetismo resplandece na expressão das aptidões. Graciosas, elegantes e sublimes, as simpáticas bailarinas da Cia de Dança Liz Velho roubaram a cena no quinto dia de Natal Felicidade – Um Doce Natal, nesta terça-feira (7 de dezembro), em uma noite de clima ameno no Calçadão da Praça João Costa, brindando a recordação ao nascimento de Jesus Cristo com centenas de testemunhas.

A Companhia Liz Velho celebrou 25 anos em 2021 e possui bailarinos e bailarinas em suas unidades em Lages, situada no bairro Sagrado Coração de Jesus, e no Colégio Santa Rosa de Lima, assim como em Bom Retiro, São Joaquim (no Serviço Social do Comércio – Sesc) e Urubici, com um total de 160 alunos, contabilizados elementos da Academia nas cidades e do projeto cultural de ballet (balé) do Colégio Santa Rosa de Lima (Escola de Dança), em que Lizandra Velho (Liz) leciona as aulas de balé. Na corporação completa, dois meninos, porém, no espetáculo deste dia 7, quatro constituíram o grupo. As professoras são Lizandra (Liz) Velho; seu braço direito, a filha Eleonora Velho Andrade Alves, auxiliar nas aulas, e a professora de dança de salão, Angelita Goedert.

Os 20 integrantes, na faixa de idade entre três e 14 anos, de ambos os agrupamentos (Companhia e Santa Rosa), com figurinos próprios da Academia Liz Velho e da unidade de ensino regular, demonstraram a paixão pela dança e tocaram o espírito de seus pais, irmãos e avós, visitantes e turistas que já estão em Lages para reverem seus familiares ou simplesmente em razão de inserirem o maior município da Serra Catarinense em seu roteiro de passeios de férias. Parte do time já integra o elenco de alunos da Companhia Liz Velho, outros eram inéditos.

O público ficou “vidrado” nas coreografias variadas de ballet clássico de repertório, jazz e ballet clássico de criação da Academia Liz Velho, unidade de Lages, com músicas todas de suíte O Quebra-Nozes: Clara; Chá Chinês; Trufas; Café Árabe, e Fada Açucarada. Da unidade de Urubici: Coppelia (balé de repertório – sapatilha de ponta). Pelo projeto Escola de Dança do Santa Rosa de Lima: Esmeraldas; Pierrô e Colombina, e (Mu) Dança.

Balé fádico, popularmente conhecido como O Quebra-Nozes, é um dos três ballets compostos por Piotr Ilitch Tchaikovski. Foi estreado em 18 de dezembro de 1892 no Teatro Mariinski, em São Petersburgo, a capital da Rússia imperial.

Baseia-se na versão de Alexandre Dumas, Pai, de um conto infantil de E.T.A. Hoffmann, O Quebra-Nozes e o Rei dos Camundongos (Brasil) ou O Quebra-Nozes e o Rei dos Ratos (Portugal). Em decorrência da temática, tradicionalmente encenado na época natalícia. “Uma arte gratificante. Ser criança é bom demais, sem luxos. O entretenimento vem da imaginação de ser criança. Amo trabalhar com elas, são especiais e me ensinam dia a dia”, realça a bailarina e proprietária da Companhia, Liz Velho.

A dona de casa, Suyan Souza, mora no bairro São Francisco e foi assistir a filha, Ana Beatriz, do ballet do Colégio Santa Rosa. Ela e seus dois filhos, Alyne e Julian, e as amigas Isadora e Betina, estavam em uma das primeiras fileiras. Apenas o filho Rone não foi. A família estava em peso.

Ana tem nove anos e começou na dança aos cinco, no street dance e balé no núcleo do Programa Lages Melhor, da Prefeitura de Lages, por meio da Fundação Cultural (FCL), permanecendo por três anos. “É a quarta vez da Ana em apresentações do Natal Felicidade. Está bem bonito, emocionante. Espero que esta fase de doença termine e as coisas voltem ao normal. O meu lado infantil aflora com o Natal, a minha casa fica cheia de enfeites, eu adoro”, revela Suyan.

Francielli Soares Pael é técnica de enfermagem, reside no bairro São Cristóvão, e com seu esposo, a filha Mariah, seu pai, sobrinha e amiga, aproveitou a noite para ver a pequena Manuela, de 11 anos, no street dance do Santa Rosa. “Minha filha dança street há três anos. Ela fez balé na Escola de Artes por um ano e ‘curte’ estar com as amigas”, ressalta Francielli.

Seu pai, o profissional de comunicação, Nulvany Lopes Pael (Chico Pael), passou pela Covid-19 e enfrentou dois meses de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). “Para mim o Natal tem um significado peculiar: Vida nova. Faço fisioterapia e hidro e estou grato por estar bem em recuperação”.

Natal Felicidade, uma doce fronteira de sentimentos contemporâneos 

As meninas estão em composição coreográfica e ensaios desde outubro, ou seja, dois meses de preparação. Os ensaios estiveram definidos para serem exercitados uma vez por semana, durante 30 minutos reservados da aula. Esta será a última apresentação de 2021, encerrando a agenda deste ano.

Em dezembro, a Academia Liz Velho protagonizou nos eventos Arte e Movimento, projeto cultural do Colégio Santa Rosa, com o espetáculo O Quebra-Nozes; Amostra de Dança, e, por fim, no Natal Felicidade. “Inúmeras vezes nos apresentamos no Natal Felicidade em 2015, com o show Frozen. E em 2016 com Lago dos Cisnes. Por longos anos desfilávamos pelas ruas mais movimentadas do centro de Lages no Natal Felicidade. As crianças amavam. Guardamos belas lembranças deste evento tão querido”, confessa a professora.

O medo da pandemia substituído pela virtude de sonhar

O som eletrônico e o embalar dos meninos e meninas acariciaram a alma das pessoas que acompanhavam as danças no palco artístico e cultural do Calçadão da Praça João Costa, e impossível esquecer das marcas críticas deixadas pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), todavia, feixes de confiança pairaram com vistas a um novo recomeço. “A retomada pós-pandemia do novo coronavírus está fazendo diferença. Estávamos com saudades de tudo, sobretudo dos tablados. Todo sacrifício vale pelo triunfo”, desabafa Liz Velho.

As dores dos bastidores que o glamour esconde e blinda

Treinos exaustivos, calos nos pés, sorriso nos lábios, ensino e aprendizado. Por trás das cortinas, o artista é um ser humano de carne e osso. O autoconhecimento se faz presente a todo instante.

As principais características para um aluno se tornar um bom bailarino são “disciplina, foco, persistência, amor e gostar do que faz, o dançar”, como enfatiza a bailarina Liz Velho, ao acrescentar: “Grande número de alunas tem o plano de se transformar em bailarina profissional, e com seu talento estar em grandes teatros e musicais. Algumas participam do Summer Rio de Janeiro com seletiva para a Bélgica e Miami City Ballet”.

Dançarina há 36 anos

Liz Velho iniciou sua carreira de bailarina em 1985. “Desde então, ininterruptamente, todos os anos nos palcos, na ativa. E apesar da pandemia da Covid-19, realizamos uma mini exposição somente para os pais. Eu estou sempre estudando. Comparecemos ao Festival Bento em Dança, em Bento Gonçalves, Serra Gaúcha; apresentações em Joaçaba e Chapecó; espetáculo Júlio Bocas, em Buenos Aires; Alice Arja, no Rio de Janeiro, e anuais da Academia Liz Velho. A gente leva bem-estar a múltiplos cantos.”

As inspirações de Liz Velho são os profissionais da dança que “revolucionaram e lutaram pelos seus propósitos, e não desistiram de passar seus conhecimentos aos seus alunos, formando outros profissionais, unindo capacidades e elevando a técnica da dança”, como ela própria defende. A especialista na dança sublinha os ícones da dança como suas luzes na profissão e no intuito de cada vez mais aperfeiçoar técnicas e avançar na qualidade: Fred Astaire, Maria Oleneva, Martha Garan, Isadora Duncan, Eleonora Greco, Alice Arja, Maria Cristina Fragoso e Ana Botafogo. “Bailarinos que brilharam com seu potencial e ideias geniais no século vivido, e hoje seus trabalhos chamam atenção, pela sua criação e criatividade no tempo, surpreendente”.

Seis coreografias com 50 alunos estilosos e premiados

Ao intercalar-se com as apresentações da Academia Liz Velho, o conjunto da Escola de Dança do Colégio Santa Rosa, mesclou as modalidades ballet e street dance (dança de rua – urbana) para balançar o público do Calçadão da Praça João Costa nesta terça-feira (7). As 50 crianças, adolescentes e adultos do street dance, com idade entre seis e 22 anos, meninos e meninas pertencentes a grupos variados, interpretaram seis coreografias. São alunos e ex-alunos de instituições educacionais e sociedade em geral, contudo, priorizados os estudantes do Santa Rosa.

As melodias executadas são montagens coreográficas com atuações dos bailarinos sob os olhos atentos e criteriosos do coreógrafo de street dance, Anderson da Costa e figurinos personalizados e exclusivos. “A produção dos figurinos está assinada pelo Sérgio. O desenho e a escolha das vestimentas são dos alunos, de acordo com o tema coreográfico”, acentua.

Entre as coreografias, As Mecânicas, encenada no Festival Escolar Dança Catarina, quando conquistou o 1º lugar, representando Lages e a Serra Catarinense. Promovido pela Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte) e pela Secretaria de Estado do Turismo, Cultura e Esporte/Governo do Estado, tem o apoio da Secretaria de Estado da Educação e prefeituras.

Anderson da Costa, explica que os alunos foram convidados para participarem da abertura da noite de gala do Festival em Florianópolis na metade do próximo ano. Considerado o maior evento de dança escolar do Brasil, chegou a sua 21ª edição e tem como objetivos “fomentar a dança na escola e salvaguardar a educação integral na construção da cidadania”. Outras coreografias de evidência da Escola do Santa Rosa no Natal Felicidade são As Construtoras, Gueto e Malandragem de Amigas.

Os ensaios do street dance acontecem às terças, quartas e quintas-feiras, das 17h30min às 19h30min. O street dance está no Santa Rosa há 15 anos. Para 2022, as inscrições estarão abertas e, caso não feche turma, com prioridade aos alunos do Colégio, será dada chance para alunos novos de fora.

Primeiro Natal depois de um triste 2020

O Natal Felicidade eleva a esperança e desafia os bailarinos a expor os resultados de um ano de força. Sob a ótica do coreógrafo Anderson da Costa, “um período no qual as pessoas estão mais sensíveis e coincide com a perseverança de trazer profissionalismo e suavidade para as famílias que ressignificaram a rica saúde. Estamos respeitando as normas, incluindo dançar com máscaras quando exigido. O Natal Felicidade vem ao encontro do que esperávamos, mostrar o aprendizado de 2021 aos pais e à comunidade, pois nada melhor do que os alunos sentirem o carinho da plateia, a resposta de todo ensaio e esforço. Eles querem sentir as palmas, é o que o artista busca”.

Luzes na Catedral Diocesana, Doce Casa do Papai Noel e anjos na Praça João Ribeiro

No Natal Felicidade, diariamente, até 23 de dezembro, dia do seu encerramento, o público está privilegiado com o espetáculo Luzes na Catedral Diocesana, com sessões de 15 minutos às 20h, 21h e 22h. Um show de cores vibrantes nas paredes da igreja equilibrado a canções natalinas. Os horários foram estendidos partindo-se desta terça.

Em frente, na Praça João Ribeiro (Praça da Catedral Diocesana), anjos ornamentais com suas trombetas anunciando a Boa Nova, enfeitam e iluminam as noites de Lages. A fachada da prefeitura está embelezada com guirlanda e cintilância.

Na Praça João Costa, a charmosa e requintada Doce Casa do Papai Noel abriga um espaço pacífico para receber as crianças na visita ao “Bom Velhinho”, até dia 23 de dezembro, das 19h às 22h. Árvore de Natal, Chave da Cidade, renas, cogumelos, caixas de presente, decoração em vermelho e verde, brilho e o bom humor do famoso “ho, ho, ho!” sobram para as fotos que eternizam este afeto açucarado.

Do lado de fora, no quintal, passatempo gira-gira, anexo ao playground fixo, para os pequeninos se divertirem mais ainda, Papai Noel e “soldadinho” de chumbo com troca de faces para registro, um Papai Noel Gigante anfitrião e Árvore dos Desejos. Perto do Terminal Urbano, na Praça Vidal Ramos Sênior, a Árvore dos Desejos da campanha da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL). As duas comportam pedidos de presentes para este Natal, e as “cartinhas” podem ser atendidas pela população com a finalidade de realizar as vontades das crianças em ter um brinquedo, roupa, chocolate, alimentos e um abraço sincero de felicitações. No dia 11 de dezembro (sábado), às 19h30min, a Banda do Papai Noel, já conhecida em Lages pela sua euforia e por alucinar as ruas e avenidas da cidade, estará no Calçadão.

O Natal Felicidade 2021 – Um Doce Natal é uma promoção da Prefeitura de Lages e Fundação Cultural (FCL), conta com apoio da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e patrocínio da Transul, Klabin e lojas Koerich.

Programação de quarta-feira (08/12) – Calçadão da Praça João Costa

19h30min – Gymnopeduo;

20h – Movere Centro de Danças.

Texto: Daniele Mendes de Melo/Fotos: Aline Borba e Ary Barbosa

Leia também

Deixe um comentário

quatro × 4 =