Celíacos Serranos promovem encontro no Mercado Público de Lages

Por Luiz Del Moura

Com o propósito de promover a conscientização sobre a doença celíaca, no próximo feriado, dia 15 de novembro, às 16 horas, um encontro entre celíacos serranos acontecerá no piso superior do Mercado Público de Lages. Não é à toa que o local foi escolhido para o evento, afinal, há uma opção de estabelecimento que vende comida e bebida, sem glúten no espaço.

No encontro, haverá roda de conversa para troca de experiências, sorteios de vouchers de refeições sem glúten e também de livros da Valentina Santuches, que escreveu: “Como ser uma criança feliz”. A organização do grupo também informará os próximos passos da comunidade celíaca em Lages.

Saiba mais sobre a doença celíaca

De acordo com a Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil (Fenacelbra), a Doença Celíaca (DC) é uma desordem sistêmica autoimune, desencadeada pela ingestão de glúten. É caracterizada pela inflamação crônica da mucosa do intestino delgado que pode resultar na atrofia das vilosidades intestinais, com consequente má absorção intestinal e suas manifestações clínicas. O glúten é um conjunto de proteínas presentes no trigo, cevada, centeio e, por contaminação cruzada por glúten, na aveia.

A doença celíaca ocorre em pessoas com tendência genética à doença. Geralmente aparece na infância, em crianças com idade entre 1 e 3 anos, mas pode surgir em qualquer idade, inclusive nas pessoas adultas e idosas. Não é uma doença rara, mas sim pouco diagnosticada, pois a cada 100 celíacos, apenas 15 sabem que possuem a doença. E, a cada 100 pessoas, uma celíaca. No mundo, 1% da população é celíaca.

O Brasil tem uma população de cerca de 210 milhões de pessoas, sendo que 2 milhões delas são celíacos (incluindo os que não sabem). Para uma doença ser rara é preciso ter um caso, a cada 2 mil pessoas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os sinais e sintomas mais comuns da doença celíaca são diarreia crônica, prisão de ventre, anemia, falta de apetite, vômitos, distensão abdominal (barriga inchada), dor abdominal, aftas de repetição, emagrecimento/obesidade, baixa estatura, infertilidade e abortos de repetição, humor alterado: irritabilidade ou desânimo, entre outros. O único tratamento é uma alimentação sem glúten por toda a vida.

Leia também

Deixe um comentário

5 − cinco =