Robótica Sesi: projetos de inovação repensam soluções para o setor de energia

Por Luiz Del Moura

Para os estudantes que participam das disputas da FIRST Lego League, o primeiro dia do Festival SESI de Robótica é de treino e ajustes para as partidas oficiais, que se iniciam nesta sexta-feira (17). Além disso, os jovens apresentaram aos juízes os projetos de inovação. A temporada deste ano, que tem como tema energia, desafia os estudantes a explorar de onde vem a energia e como ela é distribuída, armazenada e usada.

Os estudantes de Criciúma buscaram soluções para a iluminação pública sustentável e criaram o Foco de Luz, uma luminária produzida com materiais recicláveis alimentada com energia solar e com sensores de presença para assegurar sua eficiência energética. Maria Luisa De Luca, 13 anos, integra a equipe que trabalhou no projeto por cinco meses e é responsável pela programação. “A robótica contribuiu muito para a minha escolha profissional. Acho que a participação das mulheres em áreas de tecnologia está aumentando cada vez mais e é importante incentivar isso, inclusive no torneio tem equipes que são formadas exclusivamente por meninas”, observa Maria Luísa.

Já a equipe de Concórdia trouxe para o Festival SESI de Robótica um produto de limpeza para placas solares. O acúmulo de sujeira acaba ocasionando a perda energética. Biodegradável e muito eficiente, o produto custa 50% do valor do que já existe no mercado. “Além disso, ele higieniza uma área muito maior, o equivalente a 42 placas solares”, detalha a equipe.

Impacto da robótica no ensino

Para o diretor de educação e tecnologia da FIESC, Fabrizio Machado Pereira, eventos como este fomentam o ensino da robótica em larga escala. “São estudantes de todo o país reunidos aqui que cooperam uns com os outros e descobrem novas formas de implementar o ensino da matemática, ciência, engenharia e tecnologia, habilidades essenciais para as carreiras tecnológicas existentes, inclusive na indústria”, frisa, referindo-se ao ensino STEAM, metodologia que norteia a aprendizagem na Escola S, em Santa Catarina.

Marcos Sousa, líder da FIRST LEGO League Challenge no Brasil, destaca que o Festival SESI de Robótica “coroa alguns conceitos de sala de aula que os estudantes geralmente têm em teoria. Quando eles fazem parte de uma equipe, eles estudam o tema da temporada e precisam montar uma estratégia de construção de robôs. Tudo isso traz uma bagagem de habilidades que vão fortalecer esses estudantes em sala de aula, com maior rendimento”. Outro aspecto para o qual Marcos chama a atenção é a descoberta de habilidades. “O mais legal de tudo é potencializar algumas habilidades que eles já têm ou descobrir alguma habilidade que eles nem sabiam que tinham. Então esse impacto de descoberta e de potencializar as habilidades de sala de aula é o mais incrível que tem”, avalia.

Ainda nesta quinta-feira, terá início a competição da FIRST Robotic Competition (FRC), com a equipe Techmaker, de Blumenau, na disputa. Na sexta-feira (17), se iniciam as competições da FLL e da FIRST Tech Challenge (FTC). Além disso, seguem as competições da F1 in Schools. No sábado, dia 18, a premiação começa às 16h e terá transmissão no YouTube do SESI.

Assessoria de Imprensa
Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina

Leia também

Deixe um comentário

treze + seis =