Secretário da Saúde relata que alta procura por atendimento na UPA tem aumentado o tempo de espera

Por Claudio Santos

A diretoria da Associação Empresarial de Lages recebeu em sua reunião desta segunda-feira, 24 de abril, o secretário municipal de Saúde, Claiton Camargo de Souza, que falou sobre o atendimento médico na Unidade de Pronto Atendimento – UPA, os programas da secretaria e números referentes à gestão da saúde em Lages.

O secretário relatou que existem dificuldades na oferta de médicos junto aos diversos serviços da Secretaria de Saúde, incluindo a UPA onde, atualmente, os médicos são contratados por credenciamento, ou seja, já é terceirizado. A demora no atendimento é porque a demanda aumentou muito e é comum que a alta procura por atendimento aumente o tempo de espera. Isso acontece porque a demanda por atendimento supera a capacidade para atender todos os pacientes imediatamente. “Nas últimas semanas, estamos com uma demanda elevada devido a uma incidência precoce de síndromes gripais, como influenza e covid-19”, informou.

Para desafogar o atendimento na UPA, a Secretaria de Saúde conta com o programa Saúde na Mão Lages. O serviço oferece atendimento de saúde à distância com equipe de enfermeiros e profissionais de saúde, 24 horas por dia, 7 dias por semana, através do WhatsAapp (0800 444 3355). Segundo Claiton, muitos casos que chegam a UPA poderiam ser resolvidos facilmente por este programa, pois mais de 75% dos atendimentos não são urgentes. “o Saúde na Mão Lages veio para facilitar o acesso à saúde, sem precisar ficar em filas e o melhor, sem sair de casa. O programa só tem nota 9 e 10 de quem já utilizou o serviço”.

O secretário também apresentou alguns números referentes a gestão da saúde em Lages, que demonstram que o município investiu de recursos próprios, entre 2017 a 2021, cerca de R$ 285,3 milhões, sendo R$ 81,6 milhões só em 2021, o que equivale a R$ 517,96 por habitante, comparado com investimentos de outros municípios onde a arrecadação municipal causa um impacto na capacidade de investimento em saúde.

Apresentou ainda os programas NEPHS – Núcleo de Educação Permanente e Humanização em Saúde que tem por objetivo planejar, apoiar, coordenar, monitorar e desenvolver atividades voltadas à Educação Permanente e Humanização em Saúde e Viva Melhor – Ambulatório PICs – Práticas Integrativas e Complementares que são recursos terapêuticos que buscam a prevenção de doenças e a recuperação da saúde.

Leia também

Deixe um comentário

vinte − 19 =