Defesa Civil: famílias recebem folhas de telhas após temporal de granizo

Por Revista Expressiva

Em Lages, 120 famílias foram cadastradas para receber peças de telhas de fibrocimento com quatro milímetros de espessura com o propósito de fixação acima dos forros de residências atingidas pela tempestade de granizo e fortes rajadas de vento neste domingo (19 de setembro), à tarde. As entregas começaram na tarde desta segunda-feira (20 de novembro), desempenhadas por agentes da Defesa Civil Municipal – Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (Comupdec).

Na manhã desta segunda, a Defesa Civil iniciou, em uma loja do município, o carregamento de cargas de folhas de telhas adquiridas com a missão de doação a famílias acometidas pelo granizo, para as quais foram entregues lonas um dia anterior. Os moradores foram beneficiados com lonas como paliativo instantâneo após a chuva que perdurou em torno de dez minutos.

Os primeiros transportes e repasses aconteceram no início da tarde. Habitantes dos bairros Vila Maria, Maria Luiza e Guadalajara estavam no roteiro de contemplados com as contribuições. “Cada situação foi verificada e a necessidade será suprida. As pessoas não podem esperar e não vão ficar indefensas. Ter a casa segura para a família é o mínimo para um lar saudável. Reiteramos que o contato 98406-4037 está à disposição da comunidade 24 horas por dia, todos os dias da semana”, adianta o secretário executivo da Defesa Civil, João Eduardo da Silva Pacheco (Sargento Pacheco). A logística de entregas continuará nesta terça-feira (21).

360 pessoas afetadas, 120 moradias danificadas e 500 metros de lona concedidos

A Defesa Civil de Lages, em uma mobilização pela tarde e noite de domingo (19 de setembro), prestou mais de 70 atendimentos. O número de pessoas prejudicadas pelo temporal chegou a 360, pela estimativa. Desde o início da manhã desta segunda, até por volta de 11h30min, o número de edificações com danos em suas estruturas de cobertura (telhado) praticamente dobrou, alcançando a marca de 120 perto do meio-dia. O total de 500 metros de lonas de plástico foi distribuído pela Defesa Civil aos moradores com problemas em suas moradias. O relatório mais recente expõe que nenhuma pessoa esteve desabrigada e não foi preciso ativação de abrigos públicos no município.

O evento adverso provocou perdas materiais pelo granizo e vento com quebra de telhas de fibrocimento de diferentes milímetros de espessura (quatro, cinco e seis), de barro e cerâmica em residências e empreendimentos comerciais nos seguintes bairros e loteamentos, chegando a 21 em pelo menos 13 regiões da cidade (área urbana): Vila Maria, Tributo, Santa Catarina, Vila Comboni, Santa Helena, Jardim Celina, Dom Daniel, Cristal, São Luís, Passo Fundo, Vila Mariza, Copacabana, Guadalajara, Santa Clara, Centro, Morro do Posto, Gralha Azul, Novo Milênio, Gethal, Conta Dinheiro e Maria Luiza.

Um incidente de deslizamento de terra/descolamento de pedras e uma queda de um muro de contenção em residência foram constatados no bairro Maria Luiza, sem vítimas. No bairro Copacabana, a Defesa Civil registrou um risco de queda de um muro em residência. No loteamento Restinga Seca, uma queda de árvore (pinus) em pista de rolamento (via), na rua Jacy Guidali.

Duas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) – bairros Santa Catarina e Conta Dinheiro – foram atingidas pela tempestade de granizo e não abriram suas portas ao público no período matutino desta segunda-feira (20 de setembro), pois serviços de restauração de coberturas e reorganização dos espaços para logo posterior retorno dos profissionais ao trabalho aos pacientes se apresentaram imprescindíveis. As UBSs estiveram com atendimento interrompido pela manhã, com atividades restabelecidas no período vespertino: Das 13h às 17h. Na terça-feira (21 de setembro), o horário será imparcial e ambas retomarão suas funções dentro da normalidade a partir das 8h, até meio-dia e entre 13h e 17h.

Leia também

Deixe um comentário

quatro × três =